Tempo de leitura: 5 minutos

Você já parou para pensar por que farmácias costumam ter lâmpadas bem brancas ou por que restaurantes normalmente utilizam luzes amarelas? É justamente para lhe causar sensações diferentes! A luminosidade correta ajuda a valorizar um ambiente, tornando-o mais aconchegante ou mais impessoal.

Em casa ou no trabalho, cada cômodo precisa de um tipo de claridade, conforme a sensação que se deseja criar e a forma como o local será utilizado. Por isso, é muito importante fazer um bom projeto de iluminação. Nele estará definido o número e tipo de lâmpadas, a temperatura e cor delas e a segurança e eficiência de todo o seu sistema elétrico.

Sem um projeto luminotécnico eficiente, o ambiente pode provocar desconforto e dificuldades para circular ou realizar alguma atividade dentro de casa. Então, para evitar esse problema, confira 6 dicas para acertar no projeto de iluminação e ter cômodos muito mais confortáveis.

1. Considere a luz natural

O primeiro ponto a prestar atenção, antes de executar qualquer projeto de iluminação, é a luz natural do espaço. Ela ajudará você a economizar energia durante o dia e tornará sua casa sustentável. Além disso, é preciso considerar a claridade que vem de fora para criar a atmosfera desejada.

Para entender melhor, imagine uma sala com grandes janelas. Como a claridade natural é mais fria, para criar uma sala aconchegante, você precisará utilizar algumas cortinas e inserir spots de luzes amareladas, que dão um aspecto acolhedor. Há, ainda, sempre um espaço que fica um pouco mais escuro do que os outros e, nesse caso, você pode usar luminárias para equilibrar a incidência de luz.

2. Posicione corretamente as lâmpadas e luminárias

Existe o melhor local para a instalação das lâmpadas, conforme cada situação. Ao posicioná-las corretamente, você otimiza a luminosidade, economiza no número delas e também cria um efeito mais agradável. Para acertar, é preciso considerar o grau de angulação e o fluxo luminoso.

O fluxo luminoso são os fachos de luz que irradiam da lâmpada, e o grau de angulação é basicamente o espaço que os fachos têm para passar e iluminar. Dessa forma, quanto maior a superfície do produto, maior seu fluxo luminoso, ou seja, mais espaço será iluminado. Os modelos bulbo tem uma irradiação dissipada, já as dicroicas direcionam as luzes para um ponto específico.

Então, ao escolher os produtos, considere o que será destacado e se precisará de luz direta ou indiretaSe você está precisando clarear um local específico, prefira as lâmpadas de grau de angulação menor. Para iluminar de forma geral e ampla, é preciso utilizar as de maior ângulo.

3. Escolha lâmpadas de qualidade e lojas de confiança

Quem é que não gosta de economizar, não é mesmo? Então, para baixar o valor da sua conta de luz, escolher produtos de qualidade, disponibilizados em lojas especializadas, é fundamental.

Os modelos com melhor custo-benefício do mercado são as lâmpadas de LED. Elas são até 80% mais econômicas do que os outros tipos e duram até 25 vezes mais. A vida útil e a economia compensam o investimento inicial nelas.

Outro benefício das lâmpadas de LED é a variedade de formatos, cores e temperaturas, podendo ser utilizadas em qualquer ambiente. Elas não esquentam, o que faz com que possam ser posicionadas perto de móveis e objetos, sem o risco de danificá-los. Por fim, as fitas de LED, compactas e fáceis de instalar, cabem em praticamente qualquer espaço.

4. Utilize vários modelos de lâmpadas e crie diversos efeitos

Um bom projeto de iluminação também deve levar em conta o formato da lâmpada, pois cada uma tem uma especificidade que deve ser observada. Como explicado anteriormente, cada lâmpada tem um grau de angulação e fluxo luminoso. No caso da tecnologia LED, a quantidade de modelos é um diferencial.

As lâmpadas com luminosidade mais dissipada são as do tipo bulbo (muito parecidas com as incandescentes), as alta potência, com um design diferenciado, a globo, a espiral, a milho e a tubular.

De alta luminosidade e ótimas para os spots, as melhores são lâmpadas PAR. Já os refletores de LEDsão indicados para áreas externas. Existem ainda as luminárias do tipo plafon, que ficam bem em diversos ambientes e as arandelas, perfeitas para corredores e garagens.

As de claridade direcionada são as dicroicas, indicadas para spots, em balizadores próximos ao chão e em fachadas. Com função parecida, existem as lâmpadas AR, muito utilizadas em galerias de arte. Existem ainda os modelos com designs bonitos e variados, como a retrô, a bolinha e a vela.

5. Atente-se à temperatura da luz

São vários pontos para prestar atenção e a temperatura da luz é um dos mais importantes. Trata-se da tonalidade que a lâmpada terá. Existem as brancas quentes, brancas frias e brancas neutras. Cada uma é indicada para um local e uma situação.

Para espaços de relaxamento e aconchego, bem como para quartos e salas de estar, prefira cores branco quente, que remetem a essa sensação. Já para escritórios, banheiros e cozinhas, a melhor solução são os produtos de temperatura branco fria, pois estimulam a atenção e a impessoalidade. O branco neutro é um intermediário entre as duas tonalidades e é indicado para espaços comerciais.

Nada impede, no entanto, que você utilize duas temperaturas em um mesmo ambiente. Nesse caso, separe os interruptores. Digamos que o seu quarto é também utilizado como escritório: você pode usar um efeito geral em branco frio e spots de luzes quentes para os seus momentos de descanso.

6. Escolha profissionais capacitados para realizar o projeto de iluminação

Para colocar todas as dicas em prática, é importante ter bons profissionais trabalhando para você. Um arquiteto ou um designer de interiores têm conhecimentos técnicos e práticos sobre a iluminação de ambientes e podem realmente oferecer as melhores soluções.

Para distribuir a luz corretamente pelos ambientes, eles se baseiam no layout dos móveis existentes no local e nos objetos que merecem destaque na sua decoração. Um bom profissional também vai indicar a você a forma correta de utilizar os diferentes tipos de lâmpadas, além de sugerir lustres e luminárias que ajudem a valorizar o seu ambiente com muita elegância e sofisticação.

Para executar o projeto, os arquitetos ou designers pedem orientações aos engenheiros elétricos, o que é essencial para garantir a segurança. Isso é necessário, pois algumas normas precisam ser seguidas, como a capacidade da rede, a necessidade de circuitos separados e a troca de disjuntores.

Já na hora de fazer a instalação, também é importante que você chame um técnico especializado, que faça o processo de forma correta. Essa prática evita o risco de mal contato, de sobrecarga da rede e até de curto circuito.

Um bom projeto de iluminação envolve várias fases e deve ser feito por um bom profissional, assim você evita surpresas desagradáveis no final do seu planejamento. Agora que você já sabe algumas dicas, vai ficar muito mais fácil acertar no projeto de iluminação, não é mesmo?

Gostou do nosso post? Então, compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais e ajude outras pessoas a terem uma casa acolhedora e confortável.