Tempo de leitura: 7 minutos

Todo mundo gosta de um ambiente claro e bem iluminado, certo? Porém, não podemos nos manter somente no fator gostar. A luz natural pode trazer inúmeros benefícios, podendo deixar o ambiente muito mais agradável, o que gera bem-estar a quem está nele, fato que é comprovado cientificamente ser benéfico para a saúde, além de produzir mais conforto visual principalmente para momentos de trabalho (home office) e leitura.

Outro fator importante é a economia na energia elétrica. Quanto mais luz natural entra no ambiente, mais o consumidor consegue economizar. Por estarmos em uma época em que as pessoas são ecologicamente sustentáveis, cada vez mais é buscada opções que proporcionem ações inteligentes de aproveitamento de luz, seja solar, seja energética.

A iluminação zenital é capaz de aliar economia no consumo de energia elétrica e desenvolvimento sustentável para preservação do meio ambiente, sendo visto como uma alternativa competente, pois possibilita o uso da iluminação natural de forma mais proveitosa, por este motivo é tão utilizada em construções arquitetônicas.

Mas afinal de contas, o que é iluminação zenital?

A Iluminação zenital é uma forma de aproveitamento da luz natural através de aberturas na cobertura de uma construção, sendo uma técnica bastante aplicada em atuais projetos residenciais e comerciais por ser mais sustentável e eficiente, além de proporcionar uma iluminação mais uniforme para o ambiente. Muito utilizada em projetos de construção de museus, shoppings, fábricas e outros, esse tipo de iluminação é uma opção eficaz para ambientes que possuem limitações de espaço e muito utilizada também para dar um charme especial ao ambiente.

São produzidos por materiais como acrílico, vidro ou policarbonato, revestidos de estruturas metálicas ou em madeira, evitando o excesso de luz solar no ambiente. Na hora de realizar o planejamento das aberturas zenitais é preciso ter cautela, pois um projeto mal estruturado pode levar a pontos de entrada de sol que poderão aquecer o ambiente e determinados móveis em demasia e até mesmo a criação de pontos de infiltração de água.

Também é importante ter um cuidado maior com essas aberturas de tempos em tempos, para evitar sujeira em excesso sobre os revestimentos, afetando a luminosidade do cômodo.

Antes de começar um projeto de iluminação zenital, é vital ter em mente os conceitos de orientação solar – ângulo zenitalque nada mais é do que o ângulo do ambiente que é abrangido por luz natural. Através dessa medição serão construídas as aberturas zenitais com a intenção de fazer com que a luz natural penetre no ambiente.

É importante lembrar que a metragem total do ambiente deve ser levada em consideração na hora da aplicação, e que não ultrapasse de 10 a 15% da área do piso, evitando assim problemas técnicos.

A seguir, veja alguns tipos de iluminação zenital que podem ser incorporados aos ambientes.

Tipos de iluminação zenital

Claraboia

As claraboias são aberturas horizontais feitas no teto, estrategicamente posicionadas, para a entrada de luz solar, podendo ser projetadas nos formatos quadrado, circular e triangular. São visivelmente bonitas e melhoram o padrão estético de qualquer ambiente.

Essa opção de sistema de iluminação permite a integração com aberturas para ventilação, são geralmente feitas de policarbonato, acrílico ou vidro, estruturas transparentes chamadas de domos.

É uma das opções mais utilizadas em projetos residenciais ou edificações, pois são capazes de iluminar aproximadamente oito vezes mais do que uma janela do mesmo tamanho. Por isso, deve ser utilizada com cuidado, já que tende a favorecer o ganho de cargas térmicas no cômodo, aumentando a temperatura interna.

As claraboias são ótimas opções para deixar ambientes de transição, que eventualmente têm pouca luz, como banheiros, corredores e halls. A claraboia no banheiro, por exemplo, deixa o cômodo mais iluminado e ventilado, além de deixar o ambiente esteticamente mais bonito. Outros espaços também podem se beneficiar do uso da claraboia para telhado, como a cozinha, a sala, e até mesmo o quarto.

Claraboia Tubular

A claraboia tubular, também chamada de tubular solar, é um tubo que conecta o telhado com a parte do teto do cômodo escolhido para que a luz natural entre diretamente naquele ponto específico (nossa dica aqui é utilizar Spot LED próximo a claraboia, para substituir essa iluminação direta a noite, quando não há mais luz solar).

As claraboias tubulares podem ser instaladas em diferentes tipos de coberturas, possuindo vários tamanhos, podendo ser flexíveis ou rígidos.  Os tubos refletem e levam luz onde não é possível instalar outras opções como claraboia ou shed. Recomenda-se usar em áreas que possuem a cobertura com certa profundidade, quando há um espaçamento entre o forro e o telhado.

Shed

São comuns em fábricas e grandes galpões, sendo instalados em telhados que tenham o formato de “dentes de serra”, com inclinação vertical. É muito importante que se analise, além do clima do local, a direção dos ventos e o deslocamento do sol ao longo do dia para posicionar os sheds corretamente.

Entretanto, os projetos para este tipo de abertura tendem a ser mais eficazes quando voltados para o sul, sendo que desta forma, a radiação solar é evitada e produz um efeito de iluminação indireta. Para facilitar a iluminação e ventilação é indicado o uso de caixilhos.

Cúpula

A cúpula é um tipo de iluminação zenital tradicional utilizada há séculos na arquitetura para auxiliar a entrada da luz natural em ambientes de grandes dimensões. A instalação da cúpula geralmente é aplicada em edifícios comerciais e institucionais: igrejas, shoppings, museus, mas podem ser utilizadas em outros projetos luminotécnicos, pois proporcionam um grande alcance de iluminação.

Devido a intensidade dessa luminosidade, é importante que ela seja posicionada de forma que não cause desconforto, pois tendem a gerar cargas térmicas grandes no interior das edificações, podendo elevar o consumo do ar condicionado. Por esta razão, o ideal é considerar o clima do local onde o projeto será realizado e avaliar as dimensões de abertura, priorizando locais de rápida circulação, pátios ou áreas centrais.

A Cúpula do Palácio do Reichstag, o parlamento alemão em Berlim, projetada pelo arquiteto inglês Norman Foster foi um exemplo em que essa solução foi implementada levando em conta o conforto térmico do edifício.

Leia também: Decoração de ambientes pequenos: 4 dicas para ampliar visualmente o espaço

Átrio

O átrio é uma estrutura comumente vista em edificações, utilizada há tempos em variados projetos arquitetônicos de estabelecimentos com grande circulação de pessoas como shoppings centers, estações e bibliotecas.

Possui abertura central em formato piramidal, com cobertura translúcida, que permite melhor a distribuição da luz natural no ambiente, garantindo-a de forma harmoniosa e aconchegante.

É uma ótima opção também para residências, trazendo iluminação à algum cômodo mais reservado da casa e trazendo um charme especial.

Lanternim

Um dos tipos de iluminação zenital mais indicado é o lanternim, pois além de ser uma das mais comuns do mercado, possui uma abertura que auxilia para maior circulação e ventilação de ar natural. O lanternim funciona conforme a diferença da densidade do ar no ambiente ao ganhar calor, ou seja, quando o ambiente é aquecido, o ar fica menos denso e se dispersa para a cobertura, promovendo assim uma circulação de ar maior e mais agradável.

Os lanternins são aberturas geralmente posicionadas na parte superior do telhado, possuindo duas facetas opostas e translúcidas, que são orientadas no sentido Norte-Sul. Elas são posicionadas de forma que criam pequenas saliências a receber aplicação de vidro para entrada de luz natural pelas duas laterais. São indicados para ambientes quentes e com pé-direito alto, proporcionando um efeito estético impressionante.

Telhas translúcidas

Uma das opções mais tradicionais e acessíveis de iluminação zenital é a telha translúcida. São feitas sob medida, podem ser incluídas em qualquer ambiente pois sua instalação é simples.

Podem ser feitas de vidro, policarbonato, acrílico e até materiais artesanais e sustentáveis como garrafa pet.

Porém, deve ser bem ponderado o tipo de telha antes da aplicação no projeto, a fim de verificar a qualidade, funcionalidade e durabilidade desta opção. Outro ponto importante a ser considerado sobre a telha translúcida é que, ela pode esquentar demais a parte interna do ambiente, e por essa razão, vale consultar um especialista para definir o melhor para seu projeto de iluminação.

Gostou de saber mais sobre iluminação zenital? Então aproveite para assinar nossa newsletter e continuar recebendo informações importantes diretamente em seu e-mail.