Tempo de leitura: 5 minutos

Você sabe o que é DIY? Do It Yourself ou Faça Você Mesmo é uma tendência que conquistou quem gosta de design e decoração nesses últimos anos. O termo virou muito mais do que uma atividade, e em pouco tempo assumiu espaço como estilo de vida para aqueles que encontraram no DIY uma maneira de superar o estresse e decorar a residência como sempre sonhou.

Mas o que é preciso saber para conseguir utilizar os princípios dessa tendência na sua casa ou apartamento? Como fazer projetos incríveis sem a ajuda de profissionais?

No artigo de hoje, mostraremos tudo o que precisa saber sobre o DIY, incluindo algumas dicas para incluir decorações feitas por você mesmo em casa. Confira!

O que é Do It Yourself (DIY)?

Na introdução explicamos que Do It Yourself é uma tendência que envolve colocar a mão na massa. Mas que tipo de produtos e projetos podem ser feitos seguindo essa filosofia?

Não há regras que limitam o que pode ser feito com DIY. Dependendo das habilidades de quem faz, os objetos, minirreformas e projetos completos de design podem incluir desde brinquedos a eletrônicos, passando por móveis, itens cosméticos e até a customização de roupas.

No entanto, o Do It Yourself não exige que você faça tudo do zero. Transformar um objeto com pintura, desenho ou mesmo a substituição de peças já é o suficiente para começar a participar dessa onda.

Como surgiu este movimento?

O DIY surgiu nos Estados Unidos, popularizando-se na década de 1950. Ele ganhou muita força no universo musical com a ajuda de artistas que produziam e gravavam seus álbuns de maneira completamente independente, da divulgação até a venda.

Se naquela época o movimento era associado ao anti-consumismo, hoje ele tem tudo a ver com sustentabilidade e a ideia de ser capaz de produzir aquilo que se consome, ou de se recuperar objetos que tenham valor sentimental (por terem pertencido, por exemplo, aos seus avós) ou financeiro.

Como fazer DIY na sua casa?

A melhor maneira de fazer esse tipo de projeto é colocando a mão na massa. Como não há regras sobre o que pode e o que não pode ser Do It Yourself, o único jeito de aplicá-lo de maneira certa é fazendo o que é melhor para você.

Na decoração da casa isso pode significar trocar os quadros da parede, a iluminação do apartamento ou até montar um móvel do zero utilizando apenas pallets como base. Vale tudo quando o assunto é fazer você mesmo e a criatividade é o único limite.

Abaixo, confira alguns dos tipos de DIY mais comuns e veja se alguma dessas atividades desperta o seu interesse. Quem sabe ela não vira o seu primeiro projeto Do It Yourself?

Marcenaria

A marcenaria é um dos tipos de Do It Yourself mais comuns. É possível utilizar pedaços de MDF, madeira descartada que fazia parte de caixotes de feira ou de pallets, e até outros móveis antigos que foram desmontados por um motivo ou outro.

Quem entra na tendência por essa porta pode esperar fazer móveis simples como estantes e nichos, até coisas complexas como camas e guarda-roupas.

Se você tem afinidade com lixa, pregos e martelos, talvez essa opção seja para você.

Pintura

A pintura DIY também é muito popular entre aqueles que seguem essa filosofia. Pintar objetos, paredes e até o teto de casa por conta própria pode ser um desafio. Chame os amigos para ajudá-lo nessa empreitada se estiver enfrentando dificuldades.

Algumas das técnicas de pintura DIY envolvem customizações, como o uso de pincéis e plotters especiais para deixar as paredes de casa com a sua cara.

Renovação de objetos

Outra tendência forte entre os praticantes de Do It Yourself é a confecção e renovação de pequenos objetos decorativos, como almofadas, cartazes, pôsteres, canecas e o que mais a sua imaginação conseguir pensar.

Trabalhar com pequenos objetos em vez de grandes projetos de marcenaria e pintura pode ser um ótimo começo. Assim, você descobre se gosta mesmo de Do It Yourself e se está pronto para usar essa tática para renovar toda a sua casa.

Por que apostar nessa tendência?

Gostou de ver o tanto de coisa que dá para fazer em casa com Do It Yourself? Então, antes de ir correndo buscar seus pincéis, martelos e material de carpintaria, confira alguns dos motivos para investir nessa tendência na sua próxima reforma.

Economia

O principal motivo para apostar no DIY é a economia. Fazer você mesmo custa menos e é viável para a maioria das pequenas reformas. Pinturas, reparos e alterações não estruturais podem ser administradas bem por qualquer pessoa com habilidades manuais.

Aprenda algo

Outra vantagem é aprender enquanto faz. Se você sempre quis descobrir como é feita uma cadeira ou banco, por que não tentar fazer uma para a sua casa? Assim, você ganha experiência e um novo hobby.

Fique em forma

Mesmo o DIY mais simples é melhor para a sua saúde do que ficar no sofá esperando um prestador de serviços terminar o trabalho dele. Dá para se exercitar e até perder peso ajudando na reforma de casa.

Valorize seu imóvel

Gastar dinheiro com uma reforma pode estar fora de questão por uma série de motivos, mas tomar a responsabilidade por fazer a reforma para si mesmo é uma ótima maneira de valorizar o imóvel sem ter que se preocupar com gastos elevados. Uma boa manutenção garante que o seu apartamento ou casa tenha um alto valor de revenda, e o DIY é uma ótima maneira de chegar lá.

Entre as principais vantagens do Do It Yourself não podemos nos esquecer da principal: a possibilidade de customizar completamente um ambiente, escolhendo cada um dos elementos e até criando novas peças para fazer parte da sua coleção.

Antes do DIY isso era muito oneroso, mas agora, com mais pessoas se aventurando nessa tendência, ficou bem mais fácil deixar o seu cantinho com a sua cara.

 

E aí, gostou de conhecer a tendência do DIY e não vê a hora de começar um projeto por conta própria? Então, não deixe de compartilhar este artigo nas redes sociais!