Você já deve ter ouvido o dito “menos é mais”, principalmente para a decoração, não é mesmo? E se eu te dissesse que nem sempre é assim? Na prática, o estilo maximalista pode aparecer em estampas arrojadas combinadas com outros padrões no mesmo ambiente, em objetos decorativos dispostos em uma galeria dinâmica, em uma mistura de estilos e épocas diferentes.

Se você já visitou ou assistiu à fotos ou filmes sobre Las Vegas, você saberá que ela brilha 24 horas por dia. Enormes outdoors, cores fortes e muita informação visual são as marcas desta cidade do jogo. É que ela tem uma pegada extrema. Agora imagine uma situação semelhante em um projeto residencial.

Então, se você gosta de ousar e está procurando um estilo que permite total liberdade, você encontrou. Acompanhe mais sobre esse estilo de decoração abaixo.

Leia também: [INFOGRÁFICO] TIPOS DE DECORAÇÃO: 7 ESTILOS E PALETAS DE CORES

 

O que é a decoração maximalista?

O maximalismo é um estilo que traz exuberância e luxo na arquitetura e decoração. O movimento se opôs claramente ao minimalismo, conceito que trouxe linhas simples, se limitando apenas a elementos necessários no espaço.

Nesta decoração, o objetivo é aproveitar o espaço para lhe dar mais dimensão, através de obras, técnicas e decorações luxuosas. Cores, tamanhos, estilos e tudo mais pode ser afirmado que “mais é melhor”.

Robert Venturi, o principal arquiteto do estilo pós-moderno, promoveu fortemente o estilo maximalista, criando a expressão “menos é chato”. Ele é conhecido por seus grandes trabalhos, incluindo o projeto que desenvolveu para a casa de sua mãe na década de 1960.

 

Mas, por onde começar?

Não se trata apenas de um exagero decorativo, o ambiente maximalista precisa ser dosado, priorizando a harmonia dos elementos, como já mencionamos. Mas, por onde começamos?

  • Sobre elementos contrastantes: por exemplo, no caso das paredes, se você escolher cores neutras para pintá-las, pode abusar da impressão e dos padrões de fotos ou decorações, mas se você escolher papéis de parede chamativos, os elementos precisam ser mais sóbrios e neutros. 
  • Sobre a mistura de cores: a regra da paleta de cores não precisa ser seguida nesse tipo de decoração, pelo contrário, você pode misturá-las à vontade, contanto que mantenha o preceito do contraste: base neutra para objetos com múltiplas cores, objetos sóbrios para uma parede colorida. Se a sua intenção é trazer vitalidade e sensação de alegria ao ambiente, uma boa dica é usar molduras coloridas, que também podem seguir diferentes padrões.
  • Peças antigas ou novas? Porque não as duas opções? A prática do garimpo é bastante comum entre os profissionais da decoração, já que elementos de diferentes épocas podem funcionar muito bem juntos. O maximalismo contempla, inclusive, aqueles objetos de coleção que, em teoria, não ficariam bem juntos, mas que podem ser expostos num mesmo ambiente caso o projeto seja bem feito.

Leia também: Decoração Eclética: você sabe tudo sobre esse estilo?

 

Padrões do Maximalismo

Aqui, a proposta é ousadia para atingir os limites do projeto para o seu ambiente. Mas vejamos a seguir outros padrões que você pode encontrar nesse estilo:

  • Padrões já conhecidos ganham outro nível, criando uma festa visual de cor e textura. Formas geométricas são selecionadas e ganham um peso maior, oferecendo uma sobrecarga de sensações;
  • Florais também têm sua vez, tanto em paredes quanto em pisos. Plantas em vasos ou em buquês transformam o ambiente, criando uma “bagunça organizada”;
  • Criatividade e a auto expressão geram paredes e pisos que apresentam formas livres e composições artísticas por meio de uma paleta de cores forte; 

 

Ainda que você tenha maior liberdade para suas composições, pode-se pensar em elementos que combinam entre si. Uma opção é trabalhar cores complementares (como roxo e amarelo, azul e laranja, verde com vermelho, entre outras possibilidades);

Alguns dos principais estilos que estão presentes em projetos planejados do estilo maximalista é o barroco, pós-moderno, contemporâneo e clássico. Mas você não precisa se limitar a eles. Móveis grandes, sobreposição de tapetes, papéis de parede estampados e cortinas coloridas colocadas em conjunto no mesmo ambiente é um grande exemplo do cruzamento de estilos e tendências no mesmo local.

 

Estilo maximalista: vantagens e desvantagens

A principal vantagem que podemos destacar nesse estilo é a possibilidade que as pessoas têm para criar uma nova composição, bem como o empoderamento que o maximalismo entrega. A pessoa pode ousar da maneira que melhor lhe convém, usando uma mesa saarinen lateral ou qualquer objeto que remeta a mistura do tradicional com o moderno, e o refinado com o simples.

Outra vantagem é a possibilidade de trazer um pouco mais da história de cada objeto da decoração. Por exemplo, se você tem aquele relógio cuco antigo da sua avó, pode usá-lo sem medo na decoração. Quem gosta de antiguidades vai encontrar a vantagem de poder transformar sua casa em um antiquário bonito e cheio de histórias e valor.

Dentre as desvantagens, o principal impacto é a dificuldade em misturar tantas cores e estampas de maneira harmoniosa. Mesmo que o maximalismo seja uma mistura constante, isso deve ser feito com harmonia para não deixar o espaço sobrecarregado.

Isso pode limitar um pouco as pessoas, por isso, para não errar, você pode optar por contratar um designer de interiores para lhe auxiliar.

 

Quem gosta de expor sua personalidade vai poder expressá-la no maximalismo sem medo, pois ele aumenta até a última potência as opções de decoração. Portanto, cada canto do cômodo é uma oportunidade única de se expressar.

Para que tudo fique perfeito, basta saber escolher as combinações e aproveitar toda a irreverência e exuberância de morar em um espaço maximalista.

E aí, gostou de conhecer mais esse estilo de decoração? Então, não deixe de compartilhar este artigo nas redes sociais!